Testamos: Ni no Kuni: Wrath of the White Witch na gamescom 2012

11 0
Testamos: Ni no Kuni: Wrath of the White Witch na gamescom 2012

Ni No Kuni: Wrath of the White Witch

Enquanto esperava para testar Dishonored aqui na gamescom, passei por um conhecido da Namco Bandai. Ele me convidou para ir até o estande deles e experimentar as duas novas demos para Ni no kuni: Wrath of the White Witch. Não deixei passar essa oportunidade, assim posso compartilhar belíssimas telas e vídeos com você. Parte do que eu vi é mostrado neste novo trailer da gamescom, então faça um favor aos seus olhos e assista ao vídeo:

Testamos: Ni no Kuni: Wrath of the White Witch na gamescom 2012

Quando a primeira demo começou, o demonstrador fez questão de mostrar que o jogo tem opção para selecionar dublagem japonesa. Este é um pedido recorrente dos fãs de JRPG, então tenha certeza de que este problema está resolvido.

A primeira demonstração, “An Errand for Father Oak”, acontece bem no começo do jogo, com o pequeno aspirante a herói Oliver tentando chegar a Ding Dong Dell, o Castelo do Rei Gato. Quando o guarda dos portões não permite sua entrada, você deve se aventurar pela floresta para capturar “vigor” dos moradores de lá em um jarro especial para animar o guarda para que ele deixe-o entrar. Embora isso pareça ridículo, Ni no Kuni é incrivelmente charmoso pessoalmente, por não ter partes pequenas no seu visual deslumbrante.

Ni No Kuni: Wrath of the White WitchNi No Kuni: Wrath of the White Witch

A segunda demonstração, “Eruption Interruption” acontece um pouco mais adiante no jogo, e mostra um lado mais sério de Ni no Kuni. Este ambiente vulcânico é bem diferente dos campos verdes que vimos no jogo até agora – é parecido com a Montanha da Perdição. Os efeitos visuais são ótimos, com lava escorrendo e efeitos de onda de calor borrando o cenário. A cena leva os jogadores a executar algumas leves ações de jogos de plataforma, como percorrer um penhasco enquanto foge de saídas de vapor em erupção.

No pico da caldeira, a equipe corajosa precisa enfrentar um grande chefe: Moltaan, Senhor da Lava. Aqui é onde você começa a perceber que, mesmo com visuais bonitinhos, este é um jogo realmente desafiador. Moltaan é tão grande que ele não cabe na tela, e a batalha foi adequadamente épica, durante quase 10 minutos e levando os herois à beira da derrota.

Quanto mais eu vejo Ni no Kuni: Wrath of the White Witch, mais dura fica a espera pelo seu lançemtno em janeiro.

Os comentários estão fechados.

11 Comentários

  • Não tinha visto esse game ainda. Os combates são por turnos ou é mais um jogo de ação com elementos de RPG?

    • Vini Lima
      Vinícius Lima

      Olá, diegoac_47!
      Os combates são em tempo real. Você seleciona uma ação para seu personagem executar e, dependendo de qual escolher, o tempo para selecionar uma nova ação pode ser mais rápido ou mais demorado. Enquanto isso, você pode se locomover pelo cenário normalmente. 😉
      Abração

    • Fabio Santana
      Fabio Santana

      Lembrando que ele tem uma tela de batalha separada da tela de exploração. Quando você está numa dungeon ou no mapa-múndi, pode ver os inimigos e, se tocar num deles, entra na tela de batalha (como Chrono Trigger ou Grandia). É um JRPG purão da melhor qualidade. A versão japonesa saiu em novembro passado e já joguei de ponta a ponta – meu save deve estar com umas 80 horas. Jogarei fortemente tudo de novo quando sair a edição ocidental. ^^

  • Jogo aparenta estar belíssimo, pelo menos para mim a compra ja é garantida.

    Existe a chance de no futuro o game apresentar a opção de jogar ele com o áudio original?

    • Fabio Santana
      Fabio Santana

      Sim, Vegano_, a versão ocidental inclui tanto a dublagem em inglês quanto o áudio original (e legendas em inglês), de boa. ^_~

  • Nossa o jogo que mais ansiosamente aguardo!
    Cada nova imagem dele me deixa mais extasiado com a arte!
    Compra garantida!
    =)

  • Se é assim ele já está na minha lista de compras 🙂 saldades dos combates de Chrono Trigger.

  • Desde que foi anunciado, esse jogo me deixou tão empolgado quanto Beyond: Two Souls e The Last of Us.

    Mas tem algo que vai me impedir de comprá-lo, quando comprei meu play 3 defini uma regra que estou seguindo até hoje: Nunca comprar um jogo que não esteja no mínimo legendado em português, mas sempre dou preferência aos dublados. Mesmo que o mundo todo entenda o inglês, nunca vai ser tão natural quanto é na nossa língua natal.

    É uma pena, mas se todos agissem dessa forma muitos jogos seriam lançados na nossa língua natal.

  • Que isso Duda-Pinto? Concordo que essa muito bom jogar com dublagem e/ou legenda em português br, mas você não acha que está sendo um tanto radical? Existem no máximo 15 ou 20 jogos em nosso idioma, deixar de comprar os demais games não fará a sony lançar mais games em nosso idioma. Muito pelo contrário, quanto mais games comprarmos mais interece ela terá em expandir o mercado nacional e provavelmente investirá em melhores dublagens e em mais games com essa opção.

  • diegoac_47 – Por existir perto de 20 jogos no nosso idioma que posso me dar o luxo de comprar e ajudar somente as empresas que se deram o trabalho e o capricho de traduzir esse jogos, mostrando que se importa com o cliente. Sem contar que entre esse ano e o próximo serão lançados vários jogos em nosso idioma.
    Quanto a Sony só tenho elogios, pois grande parte de seus jogos já demonstram esse respeito aos seus usuários.

  • Respeito muito sua iniciativa, devemos apoiar os jogos localizados em nosso idioma, mas ainda acho um tanto radical jogar apenas os games lançados dessa forma. De qualquer jeito assim como você fico na espectativa de bons jogos em nosso idioma para o futuro, aos poucos os games vão ganhando espaço no Brasil, só falta mesmo interesse do governo.

Por favor, informe a sua data de nascimento.