It Takes Two: narrativa e gameplay em um jogo sobre o divórcio

0 0
It Takes Two: narrativa e gameplay em um jogo sobre o divórcio

Conheça os personagens e os desafios do mundo mágico de It Takes Two.

Esta é uma época muito importante para nós aqui na Hazelight. Estamos prestes a trazer nosso bebê ao mundo! Em menos de duas semanas, no dia 26 de março, a aventura co-op engraçada, maluca e divertida chamada It Takes Two vai deixar todos vocês de queixo caído. Não estou brincando, vocês nunca viram algo igual! 

It Takes Two: narrativa e gameplay em um jogo sobre o divórcio

Não confia? Basta baixar a versão Friend’s Pass de It Takes Two na PlayStation Store, para PS4 ou PS5 no dia 26 de março. É gratuito. Dê uma testada no co-op local — ou peça para um amigo baixar o Friend’s Pass também para jogarem online — e jogue a primeira fase completa. Se curtir, apenas um de vocês precisa adquirir o jogo completo para que ambos continuem jogando juntos! 

Um aspecto de It Takes Two que eu adoro é como estamos unindo a narrativa e o gameplay de maneiras inovadoras. Falei muito sobre isso desde que revelamos o jogo, mas hoje, queria mergulhar na história dos nossos dois personagens principais, Cody and May, para dar alguns exemplos de como isso ganhou vida. 

No início da história, descobrimos que Cody e May vão se separar. A filha deles, Rose, está devastada. Ela quer muito que continuem juntos. Sentindo que não consegue compartilhar suas preocupações com seus pais, ela tenta usar um livro chamado “Book of Love” e dois bonecos que ela mesma criou, representando seus pais. Quando ela deseja que eles fiquem juntos, Rose sem querer os transforma magicamente nos bonecos, e teleporta seus pais para um mundo mágico.

Lá, encontram o Dr. Hakim, uma versão viva do “Book of Love” de Rose. Ele é um cara maluco e apaixonado (mais ou menos que nem eu – na verdade fui eu quem fiz a captura de movimentos para o Dr. Hakim!) e diz que prometeu para Rose que conseguiria consertar o casamento deles.

Antes de se tornar um boneco de barro, Cody era um pai amoroso que ficava em casa e cuidava de Rose. Desde que sua empresa de viveiro de plantas faliu, seu senso de fracasso cresceu, e sua paixão pela jardinagem, uma vez enorme, se foi. May, por outro lado, é uma engenheira sagaz, que trabalha muito para manter as economias da família no positivo. Ela também abandonou sua paixão por música e canto, já que não tinha tempo livre o suficiente. 

Este estranho mundo onde agora se encontram é uma representação de tudo isso, da negligência de Cody e May, por suas paixões, pelo seu ambiente e um pelo outro, o que acabou os levando a um casamento fracassado. 

Isso é algo que os dois personagens enfrentam pelo jogo. Em certo ponto, chegam no jardim de Cody, completamente tomado por ervas daninhas, insetos, animais e outras coisas bizarras que se voltaram contra eles.

Aqui, o Dr. Hakim, que sempre cria desafios e confere novos poderes e itens para o casal em suas aventuras, concede a Cody o poder de “se tornar um” com sua jardinagem novamente. Literalmente. Cody agora pode atirar um cipó de sua cabeça para atacar inimigos ou agarrar itens à sua volta. Também pode se plantar em locais com terra para virar um cacto que atira espinhos. Ou uma trepadeira com folhas que Mary pode usar para saltar ou até um enorme tornado que pode rolar por todo lado esmagando inimigos! 

May também precisa apoiar a paixão de seu parceiro, então ela recebe uma mangueira de água para ajudar Cody a dar vida nova para seu jardim, e uma foice para cortar todos os inimigos.

Da mesma forma, o casal precisa lidar com sua dificuldade em gerenciar seu tempo. Conforme passam pelo quarto de Rose, May se irrita quando percebe que Cody usou seu jogo de xadrez para construir um castelo de brinquedo. Cody diz que ela nunca usava o jogo mesmo, e May responde dizendo que ela nunca tinha tempo. O mesmo motivo pelo qual abandonou sua paixão pelo canto.

Em uma outra fase, dentro do relógio de cuco da família, o Dr. Hakim pede que o casal enfrente esse problema de uma vez por todas. May agora pode se clonar para estar em dois lugares ao mesmo tempo. Outro poder de May é trocar de lugar com seu clone a qualquer momento, podendo até passar por objetos, como talvez uma parede prestes a esmagá-la. E Cody pode controlar objetos no mundo e fazer viagens no tempo para o passado ou futuro. Este poder funciona não só em objetos inanimados, como também em coisas, como explosões. 

Independente dos desafios (e são MUITOS) que Cody e May enfrentam, a chave é sempre trabalharem juntos.

Por favor, informe a sua data de nascimento.