Uncharted 4: A Thief's End

Jun 26

Jun 26

5 detalhes do nosso papo com o criador de Ni No Kuni II: Revenant Kingdom

Não é fácil ser rei na continuação desse JRPG de PS4

Gillen McAllister's Avatar Postado por Content Producer, SIEE

Voltaremos ao mundo de Ni no Kuni em novembro, quando a série de JRPG da Level 5 estreia no PlayStation 4. Qualquer um que jogou o predecessor no PS3, Ni no Kuni: The Wrath of the White Witch, se lembrará dos detalhes básicos; arte e narrativa inspiradas no estilo do Estúdio Ghibli, e um mundo fantástico a ser explorado.

Mas enquanto White Witch mostrava com um jovem garoto lidando com a morte de sua mãe, essa continuação – ambientada centenas de anos depois do original, com um novo elenco – aborda uma trama mais grandiosa e potencialmente complexa, com um jovem rei lutando para reclamar seu país depois de uma tentativa de golpe.
Para desembaraçar as ramificações dessa mudança, assim como as novas mecânicas sendo implementadas pelo estúdio, sentei com o roteirista e presidente da Level-5, Akihiro Hino. Isso é o que você precisa saber.

1.Você não precisa ter jogado o game anterior

“A trama principal é completamente única e não é relacionada à versão anterior,” explica Hino, dizendo que apesar de não haver barreira para a entrada, há “temas universais” que ele espera que jogadores familiares com o título notem.

2. É uma história de amadurecimento, mas com um twist de realeza

“O Ni no Kuni anterior era basicamente contado pela perspectiva de uma criança, em sua jornada para reviver a alma de sua mãe. Aqui, mudamos para um adolescente se tornando adulto, uma história de amadurecimento que você mencionou, e eventualmente em um líder e rei. Acho que há muitos elementos de história com os quais um público mais adulto pode se reconhecer e compreender.”

3. Como parte de sua jornada, você terá de reconstruir o reino

Ao lado das tradicionais quests e combate está a necessidade de reger como um rei, representado no jogo em modos separados mais ou menos na metade da aventura. O construtor de reino exige que você colete materiais e pessoas talentosas durante sua jornada, colocando os segundos “na tarefa certa” dentro do reino para melhorar sua posição.

Ni no Kuni II Revenant Kingdom, 04

4. Como uma história politicamente carregada, lições aprendidas com outros regentes que você encontra não serão necessariamente maniqueístas

“Cada reino terá seus próprios problemas e questões,” diz Hino. “[Você] terá de extrair elementos e aprender com cada reino e derivar como [você] deveria cuidar [do seu].” São as lições de vida típicas ensinadas durante um JRPG, mas com a escala de um regente. E quando se trata de realeza, as coisas não são tão claras.

“Em um caso que me vem à mente é claramente a ideia de traição e o que significa no contexto de tentar construir um reino,” explica o roteirista. “É justiça ao custo de traição? Ou como esse relacionamento funciona dentro do contexto de bem e mal? Então acho que há muitos elementos dramáticos que as pessoas podem esperar ver enquanto viajam pelos cinco reinos.”

5. Se você achou Wrath of the White Witch lindo, espere para ver Revenant Kingdom em ação

“Sinto que não há razão de criar uma continuação a não ser que você melhore em relação ao antecessor. Então tendo transicionado da era do PS3 à era do PS4, acredito que isso amplia o escopo do que podiamos fazer visualmente, além do estilo de jogabilidade. Não tenho exemplos específicos, mas acredito que a melhora visual foi uma tarefa enorme e desafiadora.”

Comente também

DsrGO-BR said:

junho 28th, 10:13 am

Agradeceria muito se o jogo viesse com pelo menos legendas em PT-BR, adorei o anterior e estou na expectativa para esse novo jogo.

Os comentários estão encerrados. Os comentários são desabilitados para posts com mais de 30 dias.

PlayStation Blog