PlayStation.Blog BR

Compositora de Final Fantasy XV Reflete Sobre Sua Jornada de 10 Anos

1 0
Compositora de Final Fantasy XV Reflete Sobre Sua Jornada de 10 Anos

Para os fãs de carteirinha da franquia, há uma sensação especial ao ouvir a última trilha sonora composta para Final Fantasy. Seja no jogo ou, como foi o caso há algumas semanas, de ouvir a trilha sendo tocada ao vivo.

Final Fantasy XV

A Orquestra Filarmônica de Londres foi até o icônico Abbey Road Studios em Londres para tocar algumas partes da trilha do aguardado Final Fantasy XV, tanto para uma plateia no local quanto para espectadores que puderam conferir a performance ao vivo via livestreaming, oferecendo um teaser do quem vem por aí na trilha sonora do jogo e o que os jogadores poderão conferir durante as aventuras de Noctis e seus amigos.

Ali presente estava a compositora do jogo, Yoko Shimomura. Recém-chegada à série Final Fantasy, mas não uma novata nas trilhas de videogames. Shimomura é reverenciada por sua longa e célebre história compondo belíssimas trilhas sonoras para jogos inesquecíveis. Em mais de duas décadas de trabalho ela compôs músicas para jogos icônicos como Street Fighter II, Legend of Mana e para a série Kingdom Hearts.

Poucas horas antes do concerto, tivemos a oportunidade de conversar com Shimomura para discutir sua abordagem ao compor para a lendária série e também para relembrar seus momentos favoritos em relação a franquia.

Você tem um currículo impressionante compondo para tantos títulos emblemáticos. Mas esse é seu primeiro Final Fantasy. Como você se sente entrando em uma franquia dessa magnitude? Existe alguma pressão para seguir os passos dos outros compositores de Final Fantasy?

Yoko Shimomura: Isso é bem interessante no XV, na verdade, porque de certa forma, parece que me pediram pra fazer dois projetos! Na época, o jogo era Final Fantasy Versus XIII, e não fazia parte da série principal. Eu estava no projeto desde o início, e por esse não ser um Final Fantasy numerado, eu senti que eu poderia abordar o game de uma forma mais livre.

Se o desenvolvimento tivesse começado pelo XV, eu com certeza teria me sentido mais pressionada, mas quando a mudança aconteceu eu já havia trabalhado no projeto por um tempo, já havia criado algumas músicas e tinha uma visão bem clara do conceito e da direção que eu queria seguir com a trilha. Foi bem mais fácil só seguir e continuar com o que eu estava fazendo.

O jogo foi desenvolvido por 10 anos – quando, nesse tempo todo, você começou a compor a trilha sonora? A música evoluiu ou mudou durante esse tempo todo?

Shimomura: A primeira música que eu realmente criei para todo o projeto foi logo no início, há 10 anos! Foi a canção Somnus, e essa música ainda está no jogo atual. Eu acho que a direção geral que as músicas tomaram tem sido bastante consistente desde o início do projeto. Havia música que sabíamos que queríamos adicionar, especificamente quando o jogo se tornou XV, então um monte de coisas novas foram adicionadas, mas foi porque muitas outras coisas estavam sendo adicionados ao jogo – coisas que precisavam contar com uma trilha de fundo.

Final Fantasy XV

Final Fantasy XV tem sido descrito como um título mais obscuro e mais realista do que os anteriores da série. Há temas de fraternidade, de ligações, e o realismo emocional. Como você conseguiu passar isso para a trilha sonora?

Shimomura: Tudo se resume a como conseguimos expressar o realismo na música. Pela minha perspectiva pessoal, eu fui criada com música clássica e, por isso, para mim, isso é muito imediato e muito real, mas eu sei que isso depende de cada um e dos tipos de música com que estão acostumados. É algo muito difícil de se definir.

A outra questão com a ideia de realismo é que esse é um conceito abstrato. A música em si é abstrata; não é tão sólida quanto outras formas de arte. E tentar retratar algo abstrato em um meio abstrato se torna um grande desafio!

Eu realmente senti que teria mais sucesso se abordasse esse aspecto se eu me focasse no universo de Final Fantasy XV, e criei o que eu sentia estar de acordo com cada aspecto individual do jogo. É assim que o vínculo entre companheiros é apresentado no XV, com a trilha que eu me sentia ser mais adequada ao tema.

Para as batalhas, imaginei uma trilha adequada com a ação e com os cenários em questão. Tentei criar a melhor música para se encaixar com cada aspecto individual do game, ao invés de pensar sobre conceitos abstratos maiores.

O gameplay de Final Fantasy XV é bastante inovador para a franquia. Algumas adições incluem o ciclo dia-noite, bem como a ênfase na ação em tempo real e a troca de armas durante o combate. Você leva em conta esses aspectos de jogabilidade ao compor uma música, ou você tem uma abordagem mais clássica?

Shimomura: Criamos conexões entre a trilha e o gameplay de diversas maneiras, e também levamos em consideração certas condições que regem as mudanças na trilha sonora do game. Por exemplo, com o ciclo dia-noite temos músicas diferentes para o início da manhã, dia, meio-dia, entardecer e noites.

Nas batalhas também, há gatilhos específicos que provocam mudanças na música. Quando você está dando golpe final em um inimigo, a música irá terminar da forma certa e será cortada quando você precisar. Há pequenos pontos como esse onde o gameplay ajuda a governar as mudanças na música.

Final Fantasy XV é um grande projeto cross-media e você também está compondo a trilha para Kingsglaive e XV. Há alguma diferença em seu processo quando você compõe para o jogo ou para o filme?

Shimomura: Eu trabalhei em algumas das canções para o filme Kingsglaive, mas não criei toda a trilha sonora. Pediram algumas músicas, então, nesse sentido, não foi muito diferente de como eu costumo abordar uma composição para jogos. Se tivessem me pedido desde o início para fazer toda a trilha sonora do filme, então eu teria que abordar o projeto de uma maneira diferente.

Você tem um Final Fantasy preferido?

Shimomura: *Risos* Essa é uma pergunta muito difícil! Acho que os que eu mais joguei foram o II e o V. Gostei muito desses dois especialmente por conta do gameplay e das diferentes mecânicas do jogo.

E qual a sua trilha preferida de Final Fantasy e composta por outra pessoa?

Shimomura: De novo, escolher apenas um é muito difícil! Há tantos elementos diferentes que me atraem em Final Fantasy. Claro que existem aqueles que estão presentes em toda a série – o prelúdio e o tema principal de Final Fantasy. Eu usei alguns desses elementos e reorganizei tudo para o XV, mas honestamente cada vez que eu ouço sempre penso comigo mesma – essa trilha é realmente grandiosa. Dá vontade de chorar de emoção.

Comments are closed.

1 Comment

  • legal , uma coisa nós fans da série ainda estamos no aguardo, queremos um Final Fantasy com o poder da nova geração que possa ser inovador usando o Sistema de turnos em batalha como foi com o aclamado Final Fantasy VII , Final Fantasy VIII e Final Fantasy X o ultimo lançado no Sistema de turnos , sei que estão buscando inovações nos cmbates e tudo mais ; porém, não apenas eu, mas muita gente está esperando por isso … Será que a produtora resolveu mesmo colocar um ponto final no Sistema que conquistou a maioria dos fans do gênero Final Fantasy ? Fica essa pergunta no ar ….

Please enter your date of birth.