PlayStation.Blog BR

Tudo Que Aprendemos Sobre o Multiplayer de Ghost Recon Breakpoint na Gamescom 2019

0 0
Tudo Que Aprendemos Sobre o Multiplayer de Ghost Recon Breakpoint na Gamescom 2019

Falamos sobre táticas com o diretor de Ghost Recon Breakpoint, Eric Couzian

Faltando menos de dois meses até o lançamento em 4 de outubro de Ghost Recon Breakpoint, a Gamescom provou ser o lugar ideal para testar uma das novidades mais aguardadas do game de tiro tático – o modo PvP multiplayer chamado “Ghost War”.

Embora o PvP tenha sido adicionado tarde em Ghost Recon Wildlands, o Diretor Criativo Eric Couzian explica que a equipe aprendeu muito com a experiência, além de ouvir os pedidos da comunidade de Ghost Recon. Após jogar algumas partidas 4×4, Eric nos mostrou mais como Breakpoint leva a jogabilidade tática ao próximo patamar.

É Tudo Trabalho em Equipe

Sendo um título Tom Clancy, não é nenhuma surpresa que a tática, trabalho em equipe e comunicação são a chave para vencer o inimigo. Isso não quer dizer apenas ficar falando sem parar – embora a conversa entre o esquadrão pode trazer a partida à vida – mas usar as ferramentas á sua disposição. Detectar inimigos e marcá-los para sua equipe, usar drones para ter uma visão aérea da zona de conflito, e servir de olhos e ouvidos se for eliminado, marcando a localização inimiga no mapa, tudo isso é importante.

Sua Classe é Completamente Customizável

O PvP de Breakpoint possui um sistema familiar de classes, onde você pode jogar como Assault, Sharp Shooter, Panther (batedor) e Medic. Mas ao contrário da maioria dos jogos, cada classe não está limitada a um grupo específico de armas; estão todas abertas para todos.

“Não há diferença entre armas para cada classe,” explica Eric. “Quisemos dar liberdade competitiva aos jogadores, para poder customizar sua classe como quiserem e usar qualquer arma – é algo que a comunidade de Wildlands vem pedindo.”

Cada Classe Tem um Papel Importante

Apesar de poder usar qualquer arma com qualquer classe – um Medic sniper, por exemplo, ou um sniper que quer carregar uma AK-47 – ainda há bons motivos para escolher sua classe com cuidado.
“Cada classe possui uma habilidade especial que as outras não,” diz Eric.

“Por exemplo, o Medic possui um item que quando colocado no chão cura sua equipe e ainda dá um pouco de vida extra. Ele também revive mais rápido que os outros como habilidade passiva, e pode usar um drone para reviver aliados à distância. Nenhuma das outras classes pode fazer isso. E cada uma possui um conjunto de habilidades especiais ativas e passivas.”

Não Chame de Revanche

Se for derrotado pelo inimigo, nem tudo está perdido. Todos no seu esquadrão de quatro pessoas podem ser revividos e colocados de volta em ação – e não há contagem regressiva ou limite de tempo para isso.

“Você não dá respawn,” diz Eric, “então precisa ser muito cuidadoso e ficar escondido. Mas ao mesmo tempo, nunca é eliminado, apenas aguarda ser revivido pela sua equipe.”

Se seus aliados o alcançarem, você voltará com metade da vida. Mas enquanto espera, em vez de ficar preso no campo de batalha esperando, você se torna os olhos de sua equipe, pulando entre os membros restantes e vigiando suas costas, marcando o local de inimigos conforme os detecta.

O que Fizer na Campanha Vale para o PvP

O sistema de progressão compartilhado de Ghost Recon Breakpoint significa que os Ghosts que você evoluiu e equipou na campanha principal estão todos lá para suas batalhas multiplayer. Isso não quer dizer que novos jogadores terão que enfrentar fortalezas invulneráveis; muito cuidado foi posto na hora de equilibrar as equipes e match-ups.

“Antes de tudo, queremos ter certeza que ninguém possui uma vantagem muito grande”, explica Eric. “O maior elemento de progressão é o nível de seu equipamento.

“Então naquele modo, se tiver uma AK-47 de nível 100, será muito poderosa. Mas no PvP, eliminamos o nível das armas, então você ainda tem a arma preferida, mas nunca será poderoso demais.”

“As armas mais únicas possuem algumas vantagens, como resistência a ferimentos ou mais stamina, mas nada que o tornará imbatível. Então se um jogador novo for tático e inteligente, não estarão em desvantagem contra alguém que já jogou 100 horas.”

Cada Mapa Possui Versões de Dia e Noite

Quando a noite cai, os óculos infravermelhos somam um novo elemento em cada mapa. Detectar inimigos antes se torna ainda mais vital, e os drones, a comodidade mais valiosa no campo de batalha.

“Em cada mapa é possível jogar em horários diferentes e com condições diferentes de tempo. Em alguns casos, isso realmente muda o jogo, especialmente à noite, quando precisará dos óculos e outros equipamentos. É possível ser muito mais furtivo..”

Há Elementos de Battle Royale – Feitos da Maneira Ghost Recon

Breakpoint pega emprestado o sistema de mapas que diminuem que traz aquela intensidade à outros jogos. Isso garante um resultado mesmo nas partidas mais tensas e cheias de snipers, já que em vez de pressão constante, ela aumenta conforme o mapa diminui quanto mais tempo passa.

“Queremos sempre incentivar o movimento em vez de “camperar”, e é importante que cada partida tenha uma conclusão satisfatória,” explica Eric.

“Eventualmente, a zona de combate cada vez menor o levará ao confronto não importa o que. Mas em partidas normais, o efeito se inicia após bastante tempo; geralmente, não será encontrado. Em Wildlands, descobrimos que o tempo médio de uma rodada é de quatro minutos. Aqui, o mapa começa a diminuir após quatro minutos e meio.”

Please enter your date of birth.