A Inspiração Latina Por Trás de LittleBigPlanet

5 0
A Inspiração Latina Por Trás de LittleBigPlanet

LittleBigPlanet 2 ganhou o prêmio de Melhor Jogo para Compartilhar seu Mundo no MTV Game Awards 2011 Latinoamericano, então pedimos para Kenny Young (Chefe de Áudio) e Kareem Ettouney (Diretor de Arte) para que voltassem no tempo e nos falassem sobre a inspiração latina que os ajudou na criação da série.

PlayStation.Blog: Qual foi a sensação ao ganhar o prêmio de “Melhor Jogo para Compartilhar seu Mundo” no MTV Game Awards Latinoamerica?

Kareem Young, Chefe de Áudio, LittleBigPlanet: Estamos lisonjeados por termos ganhado o prêmio na América Latina. Amamos o fato de LittleBigPlanet ter alcançado pessoas ao redor do mundo, pois a Criatividade não é algo exclusivo de uma parte do mundo; é um jogo para todos e todos podem criar o que os reflete. Nos deixou muito felizes e apreciamos que tenha sido bem recebido.

Kenny Ettouney, Diretor de Arte, LittleBigPlanet: Sim! Você sabe que há uma ótima paralela com o fato da história no primeiro LBP ter uma “jornada ao redor do mundo” tão criativa. Não é coincidência que dois dos oito temas da história serem voltados para a América Latina. A cultura é muito vibrante, rica e única – são muitas coisas boas para se inspirar e aproveitar.

Kareem: É verdade. Os dois temas latinoamericanos em LBP são “The Canyons” e “The Wedding”.

The Canyons

PSB: Como eles inspiraram você? Qual o tipo de processos para criar um “tema” em LittleBigPlanet?

Kareem: Em “The Canyons”, por um lado, tivemos uma grande inspiração Asteca – os designs bem elaboratos, uso de ouro – e então, por outro lado, usamos coisas como sombreiros e chillies. Para a jogabilidade, respondemos à direção de arte colocando templos astecas com cobras em um ambiente underground e, em ambientes em terra colocamos cactos, luchadores mexicanos etc.

Para o tema “The Wedding” nos inspiramos no festival “Dia dos Mortos”. No mundo vemos muitos exemplos de coisas com temas góticos e fantasmagóricos, coisas bem obscuras. Mas o interessante sobre este festival é que ele é muito positivo; é uma celebração, tem muitas energias e cores vibrantes, não o estranho clichê relacionado a morte que tendemos a ver por todo o canto. Há muita inspiração dos brinquedos (doces de esqueleto), as flores etc. Tivemos uma oportunidade para fazer uns temas de cemitério, com um ambiente de tumbas, mas com muitas coisas ótimas como flores e esqueletos “felizes”. Então pegamos a imagem icônica do casamento e ambientamos uma história e jogabilidade em torno deste tema.

Kenny: Com a trilha sonora, foi uma aproximação muito similar. Para a música original, eu especificamente mantive o México em minha mente como ponto de referência, então comecei a pesquisar as músicas tradicionais mexicanas – Ranchera, Norteño (e Banda), Son Istmeno – que é sempre um grande ponto inicial para ter noção dos instrumentos, ritmo e gostos musicais de uma cultura. Aspectos deste trabalho foram encaminhados para a música que Mat Clark e eu escrevemos para estes temas, juntando essas idéias mais tradicionais em relação aos requisitos de jogabilidade e ambientação.

Para a música licenciada, a aproximação foi um pouco diferente. Eu estava procurando por gêneros que você não associa de imediato a uma cultura em particular, novamente, em um esforço de reforçar essa mistura estética.

thewedding

Mas eu também queria que a música fosse autêntica e garantisse uma certa quantidade de credibilidade, que foi o motivo de eu ter insistido em usar músicas de artistas mexicanos. Encontrar as faixas de Kinky e Café Tacvba foi um verdadeiro desafio – normalmente, eu posso pedir muito material de origem ao departamento de licenciamento de músicas da Sony, mas isto estava um pouco fora da nossa zona de conforto, então eu tive que fazer uma baita pesquisa! No começo eu queria encontrar algum Death Metal mexicano, mas como Kareem disse, o lado charmoso do “Dia dos Mortos” é a celebração – a saltitante e contagiante “Volver a Comenzar” do Cafe Tacvba foi uma grande partida aqui. É definitivamente a minha faixa favorita em LBP 1 – eu amei desde o primeiro segundo que ouvi a parte dos sintetizadores! E vale notar que ambas as faixas tem canções em espanhol enquanto a maioria das faixas de LittleBigPlanet são instrumentais – este foi uma ótima maneira que tive para a autenticidade cultural que eu procurava.

Kareem: Com a direção de arte, uma das grandes coisas sobre LBP era que não estávamos sendo autênticos ao pegar um período particular no tempo para cada tema. Somos como uma “loja de presentes/souvenires”, pegando inspirações na história, no presente e em tudo mais sobre aquela área do mundo e, então, criando uma mistura de tudo. Não tínhamos medo de usar clichês. Estávamos tentando respeitar os temas comuns em uma área, a mitologia e visuais. Como Kenny disse, é uma cultura muito bela e divertida para se inspirar – foi um verdadeiro prazer gastar um tempo naquele mundo.

Os comentários estão fechados.

5 Comentários

  • Meu sempre quis saber se é legal esse Little Big Planet, mas uma duvida, é melhor jogar o 1 antes do 2 ou nem precisa?

    • Fabio Santana
      Fabio Santana

      Precisar, não precisa, Fidow, mas os dois jogos são fantásticos e contém fases espetaculares. Se você for comprar um só, pegue o LBP2, pois as fases da comunidade criadas para o LBP1, bem como todas as roupas do primeiro, são compatíveis com o segundo. Se puder pegar o primeiro também, certeza que você vai curtir as 50 fases da história e o próprio enredo e personagens dele. ^_^

  • Diego_OIiveira

    Ter PS3 e não LittleBigPlanet é mesma coisa de ter um nitendo e não ter mario LittleBigPlanet é demais tou loko pra jogar o do PS Vita

  • MaiconMikal

    Show!

  • alguem usa a psn br kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Por favor, informe a sua data de nascimento.